Going Out apresenta oportunidades de internacionalização de negócios

Evento contou com a participação de representantes da Greater Geneva Berne Area (GGBa), uma agência de promoção de investimentos da Suíça ocidental

Executivos e empreendedores do ecossistema de TIC do Recife estão de olho nas oportunidades para internacionalização dos negócios oferecidas pela Suíça. O cenário e os caminhos para extrapolar as fronteiras brasileiras em direção às terras das grandes instituições financeiras e do Crypto Valley foi apresentado no evento Going Out, promovido conjuntamente pelo SoftexRecife, Porto Digital, Assespro, Seprope e Manguez.Al, no último dia 11 de dezembro. O encontro ocorreu no Apolo 235 e contou com representantes da Greater Geneva Berne Area (GGBa), uma agência de promoção de investimentos da Suíça ocidental, que une os cantões de Berna, Fribourg, Vaud, Neuchâtel, Genebra e Valais.

Segundo o diretor executivo da GGBa no Brasil, Hamilton Belizario, a agência veio ao Recife em busca de empreendedores com visão global de negócios e empresas com produtos e serviços de alto valor agregado. Em contrapartida, a instituição promete apoio personalizado no projeto de internacionalização das empresas. O foco é ajudar as organizações permitindo que elas se estabeleçam rapidamente e desenvolvam suas atividades na Suíça ocidental. Desde sua criação em 2010, a GGBa, em cooperação com as agências de promoção econômicas cantonais, já orientou cerca de 400 organizações de todo o mundo no lançamento de suas atividades na região.

Durante o evento, Belizario mostrou conhecer os desafios enfrentados pelos brasileiros para empreender e elencou os alguns motivos que fazem hoje da Suíça um solo fértil para empresas de tecnologia. “No Brasil, os empreendedores enfrentam alguns problemas como dificuldade de acesso a linhas de crédito, encargos sociais elevados, alta carga tributária, falta de mão de obra especializada e muita uma burocracia. Diferente disso, na Suíça, há uma carga tributária simples, moeda forte, e vivenciamos uma expansão e diversificação de mercado”, argumentou o diretor da GGBa, destacando a vantajosa posição geográfica do país, localizado na área central da Europa.

Entre os diferencias do país para quem empreende, Belizario também destacou questões laborais, como a existência de leis trabalhistas mais flexíveis, menores encargos, nível de educação muito elevado e alta produtividade dos trabalhadores. “A população ainda fala três idiomas: francês, alemão e italiano. O que torna a Suíça um mercado de teste ideal por abranger, de pronto, três culturas”, pontuou. Por fim, lembrou que o país se tornou um centro empresarial europeu por proporcionar um ambiente de estabilidade para os empresários e investidores, dispondo de regulamentações claras e um modelo político consolidado (desde 1948).

Ecossistema – No Going Out, os representantes da GGBa também puderam conhecer a trajetória, as áreas de atuação, os números e as perspectivas do Polo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) de Pernambuco. Os dados foram apresentados em um painel capitaneado por Cláudio Marinho, conselheiro e um dos fundadores do Porto Digital. Cinco empresas locais ainda tiveram encontros individuais com integrantes da agência Suíça. Foram elas: Tempest, Neurotech, Joy Street, Recrut.Ai e FindUP.

Confira todos os informativos


Acompanhe nossa agenda de eventos, cursos e palestras!

Agendas de eventos

© SOFTEXRECIFE. Todos os direitos reservados.