SoftexRecife capacita estudante da rede pública em programação e robótica

Fruto de uma parceria com a RobôLivre e a Escola Estadual Porto Digital, a ação visa difundir o conhecimento na área de tecnologia e gerar mais oportunidades para jovens

 

O universo da robótica e a programação para jogos digitais serão desvendados por uma turma de 45 alunos da Escola Técnica Estadual Porto Digital, no Bairro do Recife. Os estudantes fazem parte de uma nova ação social firmada entre o SoftexRecife, a RobôLivre e a instituição de ensino. O objetivo é difundir o conhecimento na área de tecnologia e gerar mais oportunidades para os jovens da rede pública de ensino. No último dia 23 de março, o grupo recebeu as boas-vindas dos representantes das entidades envolvidas, no auditório do empresarial ITBC, na Rua da Guia.

 

“Este projeto é um pacto de aprendizado e nós estamos muito felizes em colaborar nesse processo. Aqui, no ITBC, temos dois laboratórios. Um de robótica e outro de programação, onde vão acontecer as capacitações. Eles funcionam como um Centro de Desenvolvimento Colaborativo, para patrocinar ações como esta. Teremos três instrutores que vão acompanhar o desenvolvimento da turma. Vamos propor problemas reais para serem solucionados pelos estudantes ao mesmo tempo em que eles aprendem a teoria”, disse o executivo do SoftexRecife, Eduardo Paiva.

 

As aulas têm início no dia 06 de abril e acontecem uma vez por semana, sempre nas sextas-feiras, à tarde. Para facilitar o aprendizado, a turma é dividida em dois grupos. Assim, enquanto uma parte assiste às aulas de robótica, a outra está no laboratório de programação. Depois, os grupos trocam de espaços para ter acesso a outra capacitação. Como a Escola Porto Digital é de tempo integral, o projeto conta como atividade de aprendizagem tendo quatro meses de duração.

 

Com idade entre 15 e 17 anos, os participantes iniciam o treinamento tanto em robótica quando em programação, mas se quiserem, posteriormente poderão optar por uma. Apesar disso, a estudante Laura Giovana, de 15 anos, já disse que quer aproveitar ao máximo as oportunidades oferecidas. “Quero fazer os dois – robótica e programação – até o fim. Entrei no projeto porque quero me aperfeiçoar e participar de competições de robótica. Essa é a área que eu gosto. Estou estudando para fazer engenharia mecatrônica”, contou.

 

Ao todo, 160 alunos se inscreveram para participar do projeto, mas apenas 45 foram selecionados. “Quando falamos do projeto na escola, a iniciativa chamou a atenção de muitos jovens. Como não era possível acomodar todos, os estudantes criaram e apresentaram um projeto e nós selecionamos os melhores”, explicou Paiva. De acordo com ele, os laboratórios estão equipados e prontos para receber os adolescentes, contando até com uma mesa digitalizadora para o desenho de personagens de jogos digitais.

Acompanhe nossa agenda de eventos, cursos e palestras!

© SOFTEXRECIFE. Todos os direitos reservados.